Pós-Graduação arrow Profissional Letras arrow Ementas e bibliografia das disciplinas
Ementas e bibliografia das disciplinas
23 de April de 2013

EMENTÁRIO E BIBLIOGRAFIA DAS DISCIPLINAS:

 

DISCIPLINAS DE FUNDAMENTAÇÃO:

 

Disciplina:

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO

Área(s) de Concentração:

Linguagens e letramentos

Obrigatória: sim

 

Carga Horária: 30 horas

Nº de Créditos:  0

Ementa:

Discussão sobre a relação entre Alfabetização e Letramento como processo contínuo e seus desdobramentos no Ensino Fundamental. Avaliação das propostas da Escola e de sua pedagogia de inclusão. Níveis de alfabetismo. Analfabeto funcional. O papel das políticas afirmativas.

 

Bibliografia:

 

ANTUNES, Irandé. Língua, texto e ensino: outra escola possível. São Paulo: Parábola, 2009.

BOURDIEU, Pierre; PASSERON, J.C. A reprodução: elementos para uma teoria do sistema de ensino. Rio de Janeiro: Livraria Francisco Alves Editora, 1975.

COOK-GUMPERZ, Jenny (Org.). A construção social da alfabetização. Porto Alegre: Artes Médicas, 1991.

CORRÊA, M. L. G.; BOCH, F. Ensino de língua: representação e letramento. Campinas: Mercado de Letras, 2006.

COSCARELLI, C. V.; RIBEIRO, A. E. Letramento digital: aspectos sociais e possibilidades pedagógicas. Belo Horizonte: Autêntica, 2005.

CUNHA, Eugênio. Práticas pedagógicas para inclusão e diversidade. Rio de janeiro: WAK Editora, 2011.

FERREIRO, Emília. Alfabetização em processo. São Paulo, Cortez, 1985.

FERREIRO, Emilia. Com todas as letras. São Paulo: Cortez, 1992.

GONÇALVES, A. V.; PINHEIRO, A. S. Nas trilhas do letramento: entre teoria, prática e formação docente. Campinas: Mercado de Letras, 2011.

KLEIMAN, Ângela. Os significados do letramento: uma nova perspectiva sobre a prática social da escrita. Campinas: Mercado de Letras, 1995.

______; MATENCIO, M. de L. M (Org.). Letramento e formação do professor: práticas discursivas, representações e construção do saber. Campinas: Mercado de Letras, 2005.

LEITE, S. A. S. (Org.) Alfabetização e letramento: contribuições para as práticas pedagógicas. Campinas: Komedi/Arte Escrita, 2001.

MAIA, Marcus A.R. (2007). Manual de Linguística: subsídios para a formação de professores indígenas na área de linguagem. Brasília: Ministério da Educação e Cultura (MEC/SECAD), 2007, v.5000. p.268.

MARINHO, Marildes; CARVALHO, Gilcinei Teodoro (Org.). Cultura escrita e letramento. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.

OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: Parábola, 2010.

OLIVEIRA, M. K. Analfabetos na sociedade letrada: diferenças culturais e modos de pensamento. Travessia, 1192, p. 17-20.

POSSENTI, Sírio. Por que (não) ensinar gramática na escola. São Paulo: Mercado de Letras, 1996,

ROJO, Roxane, Alfabetização e letramento: perspectivas linguísticas. São Paulo: Mercado de Letras, 2005.

______. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2012.

SOARES, Magda. Alfabetização no Brasil: o estado do conhecimento. São Paulo: Educ/PUC, 1990.

SCLIAR-CABRAL, Leonor. Princípios do sistema alfabético do português. São Paulo: Contexto, 2003.

SOUZA, Ana Lúcia Silva. Letramentos de reexistência: poesia, grafite, música, dança: hip-hop. São Paulo, Parábola, 2011.

TFOUNI, L.V. Letramento e alfabetização. São Paulo: Cortez,1995.

 

 

Disciplina:

ELABORAÇÃO DE PROJETOS E TECNOLOGIA EDUCACIONAL

Área(s) de Concentração:

Linguagens e letramentos

Obrigatória: sim

 

Carga Horária: 30 horas

Nº de Créditos: 0

Ementa:

Letramento científico do docente e elaboração de projetos educacionais. Fundamentos para apropriação das TICs. Embasamento para o desenvolvimento de competências específicas em postagem, representação e recuperação de informação na WEB em plataforma da UAB, MOODLE e outras.

 

Bibliografia:

 

ADORNO, T. W.; HORKHEIMER, M. A Indústria Cultural: o esclarecimento como mistificação das massas. Dialética do Esclarecimento - fragmentos filosóficos. Tradução: Guido Antônio de Almeida. Rio: Zahar, 1985.

ALVES, Lynn; BARROS, Daniela; OKADA, Alexandra. Moodle: estratégias pedagógicas e estudos de caso. Salvador: EDUNEB, 2009.

http://www.lynn.pro.br/livro.php?livro_id=9

BIO, S. R. Sistemas de informação: um enfoque gerencial. São Paulo: Atlas, 1985.

FAUSTO NETO, Antonio. Midiatização: prática social, prática de sentido. Paper, Bogotá: Seminário Mediatização, 2006.

JORDÃO, Clarissa Menezes. As lentes do discurso: Letramento e criticidade no mundo digital. Trabalhos em Linguística Aplicada, 46(1): 19-29, Jan./Jun. 2007.

MARCUSCHI, Luiz Antônio. O hipertexto como um novo espaço de escrita em sala de aula. Linguagem & Ensino, 4 (1), p. 79-111, 2001.

MATOS, Denilson P. de. Letramento: reflexões e possibilidades. In: Pesquisa em discurso pedagógico. Rio de Janeiro: PUC-RJ, 2010.

NAKAMURA, Rodolfo. Moodle: como criar um curso usando a plataforma de Ensino à Distância. São Paulo: Farol do Forte, 2009.

http://www.faroldigital.com.br/loja/product.php?id_product=67

PALLOFF, R; PRATT, K. Construindo comunidades de aprendizagem no ciberespaço. Porto Alegre: Artmed, 2002.

________. O aluno virtual: um guia para trabalhar com estudantes on-line. Porto Alegre: Artmed, 2004.

SALMON, G. E-Moderating: The key to teaching and Learnig Online. London: Kogan Page, 2000.

SIEMENS, G. New structures and spaces of learning: The systemic impact of connective knowledge, connectivism and networked learning. Out, 2008. Disponível em: http://elearnspace.org/Articles/systemic_impact.htm>. Acesso em: 06/04/2011.

SILVA, R. S. de. Moodle para autores e tutores. São Paulo: Novatec, 2010.

SILVEIRA, Sérgio Amadeu da. Exclusão digital: a miséria na era da informação. Fundação Perseu Abramo, São Paulo, 2003.

TORI, R. Educação sem distância: as tecnologias interativas na redução de distâncias em ensino e aprendizagem. São Paulo: Senac, 2010.

XAVIER, A. C. A era do hipertexto: linguagem & tecnologia. Recife: Editora Universitária UFPE, 2009.

 

 

DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS:

 

Disciplina:

FONOLOGIA, VARIAÇÃO E ENSINO

Área(s) de Concentração:

Linguagens e letramentos

Obrigatória: sim

 

Carga Horária: 45 horas

Nº de Créditos: 3

Ementa:

Revisão dos conceitos fundamentais para os estudos fonético-fonológicos. Estudo de processos fonológicos com ênfase na realidade da escrita e da oralidade de alunos do Ensino Fundamental. Subsídios teóricos para explicar processos fonológicos que envolvam os usos linguísticos nas modalidades falada e escrita. Proposições metodológicas para elaboração de material didático.

Bibliografia:

ALVARENGA, Daniel et al. Da forma sonora da fala à forma gráfica da escrita: uma análise linguística do processo de alfabetização. Cadernos de Estudos Linguísticos, 16, p. 5-30, 1989.

______. Análise de variações ortográficas. Revista Presença Pedagógica. Belo Horizonte: Dimensão. Ano 1, Número 2, 1995.

BISOL, Leda; COLLISCHONN, Gisela. Português do sul do Brasil: variação fonológia. Porto Alegre; EDIPUCRS, 2010.

BRAGA, Maria Luíza; MOLLICA, Maria Cecília. Introduçào à sociolinguística: o tratamento da variação. São Paulo; Contexto, 2011.

CAGLIARI, Luiz Carlos. Alfabetização e linguística. São Paulo: Scipione, 1989.

CALLOU, Dinah; LEITE, Yonne. Iniciação à fonética e à fonologia. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1990.

CAMARA JR. Joaquim Mattoso. Estrutura da Língua Portuguesa. Petrópolis: Vozes, 1970.

CASTILHO, Ataliba T. de; ELIAS, Vanda Maria. Pequena gramática do português brasileiro. São Paulo: Contexto, 2012.

FARACO, Carlos Alberto. Escrita e Alfabetização. São Paulo: Contexto, 1994.

HORA, Dermeval da. Estudos sociolinguísticos: perfil de uma comunidade. Santa Maria; Pallotti, 2004.

LABOV, William. Padrões sociolinguísticos. São Paulo: Parábola, 2008.

LEMLE, Miriam. Guia teórico do alfabetizador. São Paulo: Ática, 1987.

MARCUSCHI, Luiz Antônio. Da fala para a escrita: atividades de retextualização. São Paulo: Cortez, 2001.

MOLLICA, Maria Cecília. Linguagem para formação em Letras, Educação e Fonoaudiologia. São Paulo: Contexto, 2009.

______. Da linguagem coloquial à escrita padrão. Rio de Janeiro: 7Letras, 2003.

OLIVEIRA E SILVA, G. M. de; SCHERRE, Maria M. Pereira. Padrões sociolinguísticos: análise de fenômenos variáveis do português falado na cidade do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1987.

POSSENTI, Sírio. Questões de linguagem: passeio gramatical dirigido. São Paulo: Parábola, 2011.

SILVA, Ademar. Alfabetização: a escrita espontânea. São Paulo; Contexto, 1989.

SILVA, Taïs Cristófaro. Fonética e fonologia do Português: roteiro de estudos e guia de exercícios. São Paulo: Contexto. 2002.

TARALLO, Fernando. A pesquisa sociolinguística. São Paulo: Ática, 1985.

 

 

 

Disciplina:

GRAMÁTICA, VARIAÇÃO E ENSINO

Área(s) de Concentração:

Linguagens e letramentos

Obrigatória: sim

 

Carga Horária: 45 horas

Nº de Créditos:  3

Ementa:

Avaliação de gramáticas pedagógicas. Análise epilinguística e metalinguística considerando os fenômenos gramaticais mais produtivos e mais complexos na ampliação da competência comunicativa dos alunos na escuta, na leitura e na produção de textos orais e escritos. Proposições metodológicas para elaboração de material didático.

 

Bibliografia:

AZEREDO, J. C. Iniciação à sintaxe do Português. Rio de Janeiro: Zahar, 1992.

BECHARA, Evanildo. Ensino da Gramática. Opressão? Liberdade? São Paulo: Ática, 2005.

BORTONI-RICARDO, Stella Maris. Educação em língua materna: a sociolinguística na sala de aula. São Paulo: Parábola, 2004.

BORTONI-RICARDO, Stella Maris. Nós cheguemo na escola: e agora? São Paulo: Parábola, 2005.

CAMARA JR. Joaquim Mattoso. Estrutura da língua portuguesa. Petrópolis: Vozes, 1970.

CASTILHO, Ataliba T. de; ELIAS, Vanda Maria. Pequena Gramática do Português Brasileiro. São Paulo: Contexto, 2012.

CASTILHO, Ataliba Teixeira de Castilho. Nova gramática do português brasileiro. São Paulo: Contexto, 2010.

FERRAREZI JÚNIOR, Celso. Semântica para a educação básica. São Paulo: Parábola, 2008.

FRANCHI, Carlos. Mas o que é mesmo “gramática”? São Paulo: Parábola Editorial, 2006.

GONÇALVES, Carlos Alexandre. Iniciação aos estudos morfológicos: flexão e derivação em português. São Paulo: Contexto, 2011.

GUIMARÃES, Eduardo. Texto e argumentação: um estudo das conjunções do português. Campinas: Pontes, 1987.

HENRIQUES, Cláudio Cezar; SIMÕES, Darcília. Língua Portuguesa, educação & mudança. Rio de Janeiro: Europa, 2008.

HORA, Dermeval da. Estudos sociolinguísticos: perfil de uma comunidade. Santa Maria: Pallotti, 2004.

KATO, Mary; NASCIMENTO. Gramática do português culto falado no Brasil: a construção da sentença. Vol. 3. Campinas: Editora da Unicamp, 2009.

MOLLICA, Maria Cecília. Da linguagem coloquial à escrita padrão. Rio de Janeiro: 7Letras, 2003.

MOLLICA, M. C. M. ; RONCARATI, C. N. Gramática , ensino e formação profissional. Revista da ANPOLL, Universidade de São Paulo, v. 14, p. 11-29, 2003.

NEVES, Maria Helena de Moura. Gramática de usos do português. São Paulo: UNESP, 2000.

______. Que gramática ensinar na escola. São Paulo: Contexto, 2003.

OLIVEIRA E SILVA, G. M. de; SCHERRE, Maria M. Pereira. Padrões sociolinguísticos: análise de fenômenos variáveis do português falado na cidade do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1987.

PERINI, Mário. Gramática descritiva do português. São Paulo: Ática, 2001.

_____. Gramática do português brasileiro. São Paulo: Parábola, 2010.

ROSA, Maria Carlota. Introdução à Morfologia. São Paulo: Contexto, 2000.

SANDMAN, Antônio José. Morfologia geral. São Paulo: Contexto, 1990.

______. Morfologia lexical. São Paulo: Contexto, 1991.

SILVA, Rosa Virgínia M. e Silva. Contradições no ensino de português: a língua que se fala x a língua que se ensina. São Paulo: Contexto, 1997.

SOARES, Magda. Linguagem e escola: uma perspectiva social. São Paulo: Ática, 1999.

TRAVAGLIA, Luiz Carlos. Gramática e interação: uma proposta para o ensino de gramática no 1º. E 2º. Graus. São Paulo: Cortez, 2002.

VIEIRA, Sílvia Rodrigues; BRANDÃO, Sílvia Figueiredo Brandão. Morfossintaxe e ensino de Português: reflexões e propostas. Rio de Janeiro: UFRJ, 2004.

______. Ensino de gramática: descrição e uso. São Paulo: Contexto, 2007.

 

 

Disciplina:

TEXTO E ENSINO

 

Área(s) de Concentração:

Linguagens e letramentos

Obrigatória: sim

 

Carga Horária: 45 horas

Nº de Créditos: 3

Ementa:

Estudo da organização do texto e sua relação com as condições de produção. Plurissemiose e hipertexto na textualização e produção de sentidos. Avaliação do papel do texto nas aulas de Língua Portuguesa. Proposições metodológicas para elaboração de material didático.

 

Bibliografia:

ADAM, Jean-Michel. A linguística textual: introdução à análise textual dos discursos. 2.ed. São Paulo: Cortez, 2011.

ANTUNES, Irandé. Análise de textos: fundamentos e práticas. São Paulo: Parábola, 2010.

______. Língua, texto e ensino: outra escola possível. São Paulo: Parábola, 2009.

BENTES, A.C.; LEITE, M. Q. (Org.). Linguística de texto e análise da conversação: panorama das pesquisas no Brasil. São Paulo: Cortez, 2010.

CAVALCANTE, Mônica. Os sentidos do texto. São Paulo, Contexto, 2012.

DOLZ, Joaquim; SCHNEUWLY, Bernard. Gêneros orais e escritos na escola. Campinas: São Paulo: Mercado de Letras, 2004.

ELIAS, Vanda M. (Org.) Ensino de língua portuguesa: oralidade, escrita, leitura. São Paulo: Contexto, 2011.

FIDALGO, Sueli e LIBERALI, Fernanda (Org.). Ação Cidadã: por uma formação crítico-inclusiva. Taboão da Serra: UNIER, 2011.

GUIMARÃES, Elisa. Texto, discurso e ensino. São Paulo: Contexto, 2010.

KOCH, I. . Introdução à Linguística Textual. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

______. Desvendando os segredos do texto. São Paulo: Cortez, 2002.

______ . A inter-ação pela linguagem. São Paulo, Contexto, 1999.

______; ELIAS. Ler e compreender: os sentidos do texto. São Paulo: Contexto, 2006.

______; ______. Ler e escrever: estratégias de produção textual. São Paulo: Contexto, 2009.

LESSA, A. ; LIBERALI, F. Critical literacy: a cross-curricular tool-and-result in the teaching-learning activity. Prelo Revista D.E.L.T.A.

MARCUSCHI, Luiz Antônio. Produção textual, análise de gêneros e compreensão. São Paulo: Parábola, 2008.

PAULIUKONIS, M. A. L. A questão do texto: texto e contexto. In: BRANDÃO, Silvia et al. (Org.). Gramática, descrição e uso. São Paulo: Contexto, 2007. p.237-256.

PAULIUKONIS, Ma. Aparecida L.; SANTOS, Leonor W. dos (Org.). Estratégias de leitura: texto e leitor. Rio de Janeiro: Lucerna, 2006.

SANTOS, Leonor W.; CUBA RICHE, Rosa; TEIXEIRA, Claudia de S. Análise e produção de textos. São Paulo: Contexto, 2012.

TRAVAGLIA. Luiz Carlos. Gramática e interação. 5. ed. São Paulo: Cortez, 2009.

 

 

Disciplina:

ASPECTOS SOCIOCOGNITIVOS E METACOGNITIVOS DA LEITURA E DA ESCRITA

Área(s) de Concentração:

Linguagens e letramentos

Obrigatória: sim

 

Carga Horária: 45 horas

Nº de Créditos: 3

Ementa:

Estudo de processos sociocognitivos relacionados à aquisição da linguagem e ao aprendizado e desenvolvimento da leitura e da escrita. Reflexão sobre a articulação entre as abordagens cognitivas da leitura e da escrita e as pesquisas sobre letramento. Elaboração de didáticas para o ensino de Língua Portuguesa com base na construção sociocognitiva do significado relacionada ao trato com textos orais e escritos.

 

Bibliografia:

BOTELHO, P. F. Textos factuais e problematizantes em livros didáticos de História: leitura e metacognição. Dissertação de Mestrado em Língua portuguesa. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro, 125 p., 2010.

CHARTIER, A-M. Práticas de leitura e escrita. Belo Horizonte: CEALE; Autêntica, 2007.

DEHAENE, S. Os neurônios da leitura: como a ciência explica a nossa capacidade de ler. Tradução Leonor Scliar-Cabral. São Paulo: Editora Penso, 2012.

DELL’ISOLA, R. L. P. Leitura: inferências e contexto sociocultural. Belo Horizonte: Formato, 230 p., 2001.

FERRARI, L. Introdução à linguística cognitiva. São Paulo: Contexto, 2011.

FREIRE, Paulo. A importância do ato de ler: três artigos que se completam. São Paulo: Cortez, 1987.

FULGÊNCIO, L.; Liberato, Y. Como facilitar a leitura. São Paulo: Contexto, 99 p., 1992. ______. Uma visão sócio-cognitiva da avaliação em textos escolares. Educação e Sociedade. Campinas, v. 27, n. 97, p.1181-1203, 2006.

______.. Integração conceptual, formação de conceitos e aprendizado. Revista Brasileira de Educação, v. 16 n. 44, p. 247-263, 2010. Gerhardt, A. F. L. M.; Albuquerque, C.; Silva, I. A cognição situada e o conhecimento prévio em leitura e ensino. Ciências & Cognição, 14 (2), pp. 74-91, 2009.

KATO, M. O aprendizado da leitura. São Paulo: Martins Fontes, 121p., 1983.

KLEIMAN, Ângela. Oficina de leitura: teoria e prática. Campinas: Pontes, 1992.

______. Texto e leitor: aspectos cognitivos da leitura. Campinas; Pontes, 1995.

______. (Org.). Os significados do letramento: uma nova perspectiva sobre a prática social da escrita. Campinas, S.P.: Mercado de Letras, 1995.

LEFFA, V. J. Aspectos da leitura: uma perspectiva psicolinguística. Porto Alegre: Sagra-Luzzatto, 1996.

MAIA, Heber (Org.). Neuroeducação: a relação entre saúde e educação. Rio de janeiro: WAK Editora, Coleção Neuroeducação- vol 1, 2011.

MAIA, Heber (Org.). Neurociências e desenvolvimento cognitivo. Rio de Janeiro: WAK Editora, Coleção Neuroeducação – vol 2, 2011.

MENEGASSI, R. J. Compreensão e interpretação no processo de leitura: noções básicas ao professor. Revista UNIMAR, 17, 1, p. 85-94, 1995.

SCLIAR-CABRAL, Leonor. Introdução à Psociolinguística. São Paulo: Ática, 1991.

TOMASELLO, M. As origens culturais da aquisição do conhecimento humano. São Paulo: Martins Fones, 2003.

VIGOTSKY, Lev. Pensamento e linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 1991.

 

 

Disciplina:

LEITURA DO TEXTO LITERÁRIO

Área(s) de Concentração:

Linguagens e letramentos

Obrigatória: sim

 

Carga Horária: 45 horas

Nº de Créditos:  3

Ementa:

Concepção de literatura e seu ensino. O ensino da literatura como experimentação: entre a leitura e a crítica. Processos de hibridização dos gêneros. O livro e o leitor: prazer e conhecimento. Práticas pedagógicas direcionadas à formação do leitor do texto literário. Proposições metodológicas para elaboração de material didático.

 

Bibliografia:

ABREU, Márcia. Leitura, história e história da leitura. Campinas: Mercado de Letras, 2002.

ANTUNES, Benedito; CECCANTINI, João Luís C. T. Os clássicos: entre a sacralização e a banalização. In: PEREIRA, Rony Farto e BENITES, Sonia A. Lopes. À roda de leitura: língua e literatura. Jornal Proleitura. São Paulo: Cultura Acadêmica. Assis: ANEP, 2004.

BARBOSA, J. A. A Biblioteca Imaginária. São Paulo: Ateliê, 1996.

BLOOM, H. Como e por que ler. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001.

BORGES, Jorge Luis. Cinco visões pessoais. Brasília: UNB, 1996.

COLOMER, T. A formação do leitor literário: narrativa infantil e juvenil atual. São Paulo; Global, 2003.

CANDIDO, Antônio. O Direito à Literatura. In: Vários Escritos. Rio de Janeiro/São Paulo: Ouro sobre Azul/Duas Cidades, 2004, p.169-191.

COMPAGNON, Antoine. Literatura para quê? Belo Horizonte: UFMG, 2009.

COSSON, Rildo. Letramento literário: teoria e prática. São Paulo: Contexto, 2006.

ISER, W. O ato da leitura: uma teoria do efeito estético. São Paulo: Editora 34, 1996.

LAJOLO, Mariza. Literatura: leitores e leitura. São Paulo: Moderna, 2001.

LIMA, Luiz Costa (Org.). A literatura e o leitor. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979.

LOPES, Silvina Rodrigues. Literatura, defesa do atrito. Lisboa: Vendaval, 2003.

MAGALHÃES, Hilda G. D.; BARBOSA, Eliziane de P. S. Letramento literário na alfabetização. In: SILVA, Wagner R.; MELO, L. C. (Org.) Pesquisa & ensino de língua materna: diálogos entre formador e professor. São Paulo: Mercado de Letras, 2009.

MARINHO, Marildes; CARVALHO, Gilcinei Teodoro (Org.). Cultura escrita e letramento. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.

MELO, Lívia Chaves de; MAGALHÃES, H. G. D. A literatura em sala de aula: investigando materiais de apoio didático. In: SILVA, Wagner R.; MELO, L. C. (Org.) Pesquisa & ensino de língua materna: diálogos entre formador e professor. São Paulo: Mercado de Letras, 2009.

PAIVA, Aparecida et. al. (Org.). Literatura e letramento: espaços, suportes e interfaces – o jogo do livro. Belo Horizonte: Autêntica/CEALE/FAE/UFMG, 2007.

RAMOS, Dernival Venâncio; ANDRADE, Karylleila S.; PINHO, Maria José de. (Org.). Ensino de língua e literatura: reflexões e perspectivas interdisciplinares. 1a. ed. Campinas: Mercado de Letras, 2011, v. , p. 81-92.

ZILBERMAN, Regina. Estética da recepção e história da literatura. São Paulo: Ática, 1989.

 

 

 

DISCIPLINAS ELETIVAS (serão ofertadas de acordo com a disponibilidade dos docentes do Programa):

 

Disciplina:

ENSINO DA ESCRITA, DIDATIZAÇÃO E AVALIAÇÃO

Área(s) de Concentração:

Linguagens e letramentos

Obrigatória: não

 

Carga Horária: 45 horas

Nº de Créditos: 3

Ementa:

Análise dos documentos oficiais orientadores da produção textual e sua adequação à sala de aula. Elaboração de descritores de avaliação de textos de alunos. Prática de análise linguística e reescritura de textos. Protocolos para docência. Proposições metodológicas para elaboração de material didático.

Bibliografia:

ARAÚJO, Júlio César; DIEB, Messias (Org.). Letramentos na web: gêneros, interação e ensino. Fortaleza: UFC, 2009.

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 1992, p. 279-289.

BATISTA, Antônio Augusto G. Aula de português: discurso e saberes escolares. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

BATISTA, Antônio Augusto Gomes; VAL, Maria da Graça Costa (Org.). Livros de alfabetização e de português: os professores e suas escolhas. Belo Horizonte: Ceale: Autêntica, 2004.

BAZERMAN, Charles. Escrita, gênero e interação social. São Paulo: Cortez, 2007, p. 92-109.

BRONCKART, Jean-Paul. Atividades de linguagem, textos e discursos. São Paulo: Educ, 1999.

COSCARELLI, Carla Viana; RIBEIRO, Ana Elisa (Org.). Letramento digital: Aspectos sociais e possibilidades pedagógicas. Belo Horizonte: Ceale: Autêntica, 2005.

DOLZ, Joaquim; DECANDIO, Fabrício; GAGNON, Roxane. Produção escrita e dificuldades de aprendizagem. São Paulo: Mercado de Letras, 2010.

GARCEZ, Lucília. A escrita e o outro. Brasília: Editora da UNB, 1998.

GERALDI, João Wanderley. Portos de passagem. São Paulo: Martins Fontes, 1993.

GONÇALVES, Adair Vieira; BAZARIM, Milene (Org.). Interação, gêneros e letramento – A(re)escrita em foco. São Carlos, SP, Claraluz, 2009.

KARWOSKI, A. M., GAYDECZKA, B. & BRITO, K. S. Gêneros Textuais: reflexões e Ensino. Paraná: Kaygangue, 2005.

KATO, Mary. No mundo da escrita. São Paulo: Ática, 1985.

KOCH, Ingedore Villaça. Desvendando os segredos do texto. São Paulo: Cortez, 2002, p.149-157.

MARCUSCHI, L. A. Da fala para a escrita: atividades de retextualização. São Paulo: Cortez, 2001.

___________. Produção textual, análise de gêneros e compreensão. São Paulo: Parábola, 2008, p.26-46..

NASCIMENTO, Elvira Lopes (Org.) Gêneros textuais: da didática das línguas aos objetos de ensino. São Carlos, Claraluz, 2009.

OLSON, David. O mundo no papel. São Paulo: Ática,1997, p.274-298.

PEREIRA, Regina Celi M. (Org.) Nas trilhas do ISD: práticas de ensino-aprendizagem da escrita. São Paulo: Pontes, 2012.

ROCHA, Gladys; VAL, Maria da Graça Costa (Org.). Reflexões sobre práticas escolares de produção de texto: o sujeito autor. Belo Horizonte: Autêntica, 2003.

RUIZ, Eliana M. Como se corrige redação na escola. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2008.

SCHNEUWLY, Bernard & DOLZ, Joaquim. Gêneros orais e escritos na escola. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2004.

 

 

 

Disciplina:

LINGUAGEM, PRÁTICAS SOCIAIS E ENSINO

Área(s) de Concentração:

Linguagens e letramentos

Obrigatória: não

 

Carga Horária: 45 horas

Nº de Créditos: 3

Ementa:

Bases epistemológicas relativas à definição do conceito de linguagem como prática discursiva. Princípios e procedimentos de análise dos discursos. Estudo de práticas discursivas em diversos contextos escolares e não escolares. Proposições metodológicas para elaboração de material didático.

Bibliografia:

BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 1992 [1979]

_____. Questões de literatura e de estética: a teoria do romance. 3. ed. São Paulo: Unesp/Hucitec, 1993. p. 13-70.

BRAIT, Beth (Org.). Bakhtin: conceitos-chave. São Paulo: Contexto, 2005.

______. (Org.). Bakhtin: outros conceitos-chave. São Paulo: Contexto, 2006.

______. (Org.). Bakhtin: dialogismo e construção de sentido. 2. ed. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 1997.

CORACINI, Maria José. Interpretação, autoria e legitimação do livro didático. Campinas, SP: Pontes, 1999.

_____. (Org.) O jogo discursivo na aula de leitura: língua materna e língua estrangeira. Campinas, SP: Pontes, 1995.

_____. Concepções de leitura na (pós)modernidade. In: CARVALHO, Regina Célia de; LIMA, Paschoal (Org.). Leitura: múltiplos olhares. Campinas, SP: Mercado de Letras; São João da Boa Vista, SP: UNIFEOB, 2005.

CORRÊA, M. L. G.; BOCH, F. Ensino de língua: representação e letramento. Campinas: Mercado de Letras, 2006.

FAIRCLOUGH, Norman. Discurso e mudança social. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2001.

FARACO, Carlos Alberto. Linguagem e diálogo: as idéias lingüísticas do círculo de Bakhtin. Curitiba: Criar, 2003.

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso. Rio de Janeiro: Edições Loyola, 1999.

HANKS, William F. Língua como prática social: das relações entre língua, cultura e sociedade a partir de Bordieu e Bakhtin: Cortez, 2008.

MAINGUENEAU, Dominique. Análise de textos de comunicação. São Paulo: Cortez, 2001.

ORLANDI, Eni Puccinelli. Análise do discurso: princípios e procedimentos. Petrópolis/RJ: Vozes, 1999.

_____ (Org.). A leitura e os leitores. Campinas, SP: Pontes: 1998.

_____. Discurso e leitura. São Paulo: Cortez, 2008.

SILVA, L. H. O. Silenciamento dos sentidos: relatos de observação de aulas de leitura. Revista Querubim (Online), v. 01, p. 01-17, 2007.

SILVA, Marluce Pereira da; OLIVEIRA, Maria Bernadete Fernandes de; ALVES, Maria da Penha Casado (Org.). Linguagem e práticas sociais: ensaios e pesquisas. Natal: EDUFRN, 2008.

SPINK, Mary Jane P. (Org.). Práticas discursivas e produção de sentidos no cotidiano: aproximações teóricas e metodológicas. São Paulo: Cortez, 2004.

VOLOCHÍNOV, V. N. (Mikhail Bakhtin). Marxismo e filosofia da linguagem. São Paulo: Hucitec, 1990.

 

 

Disciplina:

FUNÇÃO SOCIOSSIMBÓLICA DA LINGUAGEM

Área(s) de Concentração:

Linguagens e letramentos

Obrigatória:  não

 

Carga Horária: 45 horas

Nº de Créditos:  3

Ementa:

Competências plurilíngue e pluricultural em contexto escolar. Padronização e vernacularização: atitude, estilo, registro, crença e identidade. O imaginário coletivo e seu impacto em relação à escola. Proposições metodológicas para elaboração de material didático.

Bibliografia:

BAGNO, Marcos (Org.). Norma lingüística. São Paulo: Edições Loyola, 2001.

BARCELOS, A. M. F. Cognição de professores e alunos: sobre o ensino e aprendizagem de línguas. In: BARCELOS, A.M.F. et al. (Org.). Crenças e ensino de línguas. São Paulo, Pontes, 2006, pp. 15-42.

BARBOSA, Gabriela de Campos. Atitudes linguísticas e identidade na fronteira Brasil-Colômbia. Dissertação de Mestrado: UFRJ, 2004.

CYRANKA, Lúcia Furtado de Mendonça. Atitudes linguísticas de alunos de escolas públicas de Juiz de Fora. Dissertação de Mestrado: UFF, 2007.

_______. Dos dialetos populares à variedade culta: a Sociolinguística na escola.Rio de Janeiro: Editora APPRIS, 2011.

CUNHA, Eugênio. Práticas pedagógicas para inclusão e diversidade. Rio de janeiro: WAK Editora, 2011.

COTTERON, Jany. Propostas didáticas para ensinar a argumentar no ensino fundamental. In: CAMPS, Anna et al. Propostas didáticas para aprender a escrever. Porto Alegre: Artmed, 2006.

GÖRSKI, E. M. A variação estilística na ótica da sociolinguística laboviana: (re)dimensionando o papel do contexto. VI SIGET, Natal/RN, de 16 a 19 de agosto de 2011. Disponível em: <www.cchla.ufrn.br/visiget>. Acesso em 23 de fevereiro de 2012.

MARTINS, Maria Sílvia Cintra. Letramento, etnicidade e diálogo intercultural. D.E.L.T.A. [online]. 2011, vol.27, n.1, pp. 77-98.

MOLLICA, M. C. M. ; LEAL, Marisa. Crenças e atitudes no aprendizado do português e da matemática no âmbito escolar. Cadernos de Letras da UFF, v. 36, p. 95-113, 2008.

MOLLICA M. C., LOUREIRO F., MELO L., ALIPIO R. “Comunidades urbanas e conflitos linguísticos”. Revista Gragoatá. Publicação do Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Federal Fluminense. Niterói: EdUFF, n. 25, 2008.

RAMOS, R. e LESSA, A. Ensino-aprendizagem de línguas e formação de professores à luz de Representações. IN: Crenças, Discursos e Linguagem. DA SILVA, Kleber (Org.). Campinas: Pontes Editores. 2010.

RONCARATI, C.; ABRAÇADO, J. (Org.). Português Brasileiro II: contato linguístico, heterogeneidade e história. Niterói: EdUFF, 2008, p. 170-191.

SEVERO, C. G. O estudo da linguagem em seu contexto social: diálogo entre Bakhtin e Labov. D.E.L.T.A., 25:2, 2009, pgs. 267-283.

______. Entre a sociolinguística e os estudos discursivos: o problema da avaliação. Interdisciplinar. Ano VI, V. 14, jul-dez de 2011, p. 07-15.

SCHERRE, Maria Marta Pereira. Doa-se lindos filhotes do poodle. São Paulo: Parábola, 2005.

 

 

 

Disciplina:

PRÁTICAS DE ORALIDADE E PRÁTICAS LETRADAS DO 1º AO 5º ANO

Área(s) de Concentração:

Linguagens e letramentos

Obrigatória: não

 

Carga Horária: 45 horas

Nº de Créditos: 3

Ementa:

Orientações teórico-metodológicas para as práticas de produção de texto, considerando-se as interações sociais. Reconhecimento de textos e/ou unidades linguísticas. Integração dos conhecimentos da fala no processo de aprendizagem da escrita. Estudo das fases iniciais de desenvolvimento de monitoramento estilístico-contextual. Produção oral e escrita de textos de gêneros previstos nos PCN.

 

Bibliografia:

ABAURRE, Maria B. M., SCOZ, B. J. L. (Org.) Psicopedagogia: o caráter interdisciplinar na formação e atuação profissional. Porto Alegre: Artes Médicas, 1987.

ALMEIDA, Geraldo Peçanha. Desenvolvimento da Escrita. 3.ed. Rio de janeiro: WAK Editora, 2011.

BRASIL. Parâmetros curriculares nacionais – 1º e 2º ciclos do Ensino Fundamental – Língua Portuguesa. Brasília, SEF/MEC, 1998.

CHARTIER, Anne-Marie. Práticas de leitura e escrita. Belo Horizonte: Ceale, Autêntica, 2007.

CALVET, L. Tradição oral & tradição escrita. São Paulo: Parábola Editorial, 2011.

CAPOVILLA, A & CAPOVILLA, F. Alfabetização: método fônico. São Paulo: Memnon, 2002.

CAMPS, Anna et al. Propostas didáticas para aprender a escrever. Porto Alegre: Artmed, 2006.

DIONÍSIO, Angela; BEZERRA, Ma. Auxiliadora (Org.). O livro didático de português: múltiplos olhares. 3. ed. Rio de Janeiro: Lucerna, 2005.

MACHADO, José R. M.; NUNES, Marcus V. S. 245 jogos lúdicos para brincar como os nossos pais brincavam. Rio de janeiro: WAK Editora, 2011.

MOLLICA, M. C. M. Oralidade em textos escolares. Revista da ANPOLL, São Paulo, v. 14, p. 1-5, 2000.

SILVA, A. Alfabetização: a escrita espontânea. 2. ed. São Paulo: Contexto, 1994.

ROJO, Roxane (Org.). A prática de linguagem em sala de aula: praticando os PCNs. Campinas: Mercado de Letras, 2000.

RUIZ, Eliana M. Como se corrige redação na escola. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2008.

SCHNEUWLY, Bernard; DOLZ, Joaquim. Gêneros orais e escritos na escola. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2004.

VAL, Maria da Graça Costa; ROCHA, Gladys (Org.). Reflexões sobre práticas escolares de produção de texto: o sujeito-autor. Belo Horizonte: Autêntica, 2003.

 

 

Disciplina:

PRÁTICAS DE ORALIDADE E PRÁTICAS LETRADAS do 6º AO 9º ANO

Área(s) de Concentração:

Linguagens e letramentos

Obrigatória: não

 

Carga Horária: 45 horas

Nº de Créditos: 3

Ementa:

Orientações teórico-metodológicas para as práticas de produção de texto, considerando-se as interações sociais. Reconhecimento de textos e/ou unidades linguísticas. Integração dos conhecimentos da fala no processo de aprendizagem da escrita. Estudo das fases iniciais de desenvolvimento de monitoramento estilístico-contextual. Produção oral e escrita de textos de gêneros previstos nos PCN.

 

Bibliografia:

BRASIL. Parâmetros curriculares nacionais – 3º e 4º ciclos do Ensino Fundamental – Língua Portuguesa. Brasília, SEF/MEC, 1998.

DIONÍSIO, Angela, MACHADO, Anna Rachel & BEZERRA, Ma. Auxiliadora (Org.). Gêneros textuais e ensino. 5. ed. Rio de Janeiro: Lucerna, 2007.

GERALDI, João Wanderley. Linguagem e ensino: exercícios de militância e divulgação. Campinas: Mercado de Letras, 1996.

___________. A aula como acontecimento. São Carlos: Pedro & João Editores, 2011.

___________.; CITELLI, Beatriz (Coord.). Aprender e ensinar com textos de alunos. São Paulo: Cortez, 2002.

MOLLICA, M. C. M. ; MOURA, A. P. A. ; LEAL, M. B. Materiais didáticos para a EJA. Apostila 1 Formação de Alfabetizadores, RIO DE JANEIRO, v. 1, n. 1, p. 35-42, 2005.

MOLLICA, M. C. M. Constituição de material instrucional. Boletim da Abralin, v. 5, p. 53-59, 2000.

RUIZ, Eliana M. Como se corrige redação na escola. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2008.

SCHNEUWLY, Bernard & DOLZ, Joaquim. Gêneros orais e escritos na escola. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2004.

SERRANI, Silvana (Org.). Letramento, discurso e trabalho docente. Vinhedo: Horizonte, 2010.

VAL, Maria da Graça Costa; ROCHA, Gladys (Org.). Reflexões sobre práticas escolares de produção de texto: o sujeito-autor. Belo Horizonte: Autêntica, 2003.

 

 

 

Disciplina:

ERROS DE DECODIFICAÇÃO NA LEITURA: ROTAS E GRAUS DE ATIPICIDADE DOS SUJEITOS

Área(s) de Concentração:

Linguagens e letramentos

Obrigatória: não

 

Carga Horária: 45 horas

Nº de Créditos:  3

Ementa:

Conceituação de erro na leitura oral. Avaliação da dupla rota: fonológica e lexical. Distinção entre marcas dialetais e erros propriamente ditos. Resultados distintos de leitura em sujeitos de desenvolvimento típico e atípico. Níveis de fluência. Proposições metodológicas para elaboração de material didático.

Bibliografia:

ALMEIDA, Amanda; ALMEIDA, Maria; ALMEIDA, Maykonn. Manual para tratamento de disgrafia: disortografia e troca de letras. Biblioteca24horas.

AQUINO, M. F. Uma proposta de tipologia de erros de leitura: análise sociolinguística e cognitiva.Tese de doutorado. UFPB,2010.

AVILA et al. Tipologia de erros de leitura de escolares brasileiros considerados bons leitores. Pró-fono Revista de atualização científica, 21 (4), 320-5, 2009.

CAMARA Jr..J. Mattoso. Erros de escolares como sintoma de tendências linguísticas no português do Rio de Janeiro. In: CAMARA JR., Mattoso J. (ed). Dispersos. Rio de janeiro: F.G.V., 1972. p.31-35.

CAPOVILLA et al. Usando testes computadorizados de competência de leitura silenciosa e em voz alta para mapear desenvolvimento de rotas de leitura, e testes de compreensão auditiva e de leitura para diagnóstico diferencial da dislexia. In: CAPOVILLA (Org). Neuropsicologia e Aprendizagem: uma abordagem multidisciplinar. SCOR Editora TECCI, 2002

CIASCA, S.M. Distúrbios e dificuldades de aprendizagem em criança: análise do diagnóstico interdisciplinar. Tese de Doutorado na Faculdade de Ciencias Medicas – UNICAMP. Campinas, São Paulo, 1994.

CIASCA, S.M. Avaliacao Neuropsicologica e Neuroimagem nos Disturbios de Aprendizagem – Leitura e Escrita. In: Associação Brasileira de Dislexia, Dislexia: Cérebro, Cognição e Aprendizagem, Sao Paulo, Frontis Editorial, 2000.

CIASCA, S. M. (org). Distúrbios de aprendizagem: proposta de avaliação interdisciplinar. Sao Paulo: Casa do Psicologo, 2003.

CONDEMARIN, M & BLOMQUIST, M. Dislexia: manual de leitura corretiva. Porto Alegra: Artes Medicas, 3a ed. 1989.

CORREA, L. M. S. Questoes de concordancia: Uma abordagem integrada para processamento para processamento, aquisicao e o Deficit Especifico da Linguagem. In Linguística, revista do Programa de Pos-graduacao da UFRJ, v. 1, n.1, p. 111-145, 2005.

JORGE, Miguel R. DSM – IV: Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais. 4a ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 1994.

CRYSTAL, D. Patologia del lenguage. Salamanca: Gráficas Ortega, 1993.

FLETCHER, P. & INGHAM, D. Deficiência gramatical. In: FLETCHER, P. & MACWHINEY, B. (Org.). Compêndio de linguagem da criança. Porto Alegre: Artes Médicas, 1987.

GREGOLIN-GUINDASTE, R. M. O agramatismo: um estudo de caso. Tese de doutorado: Unicamp, 1996.

LEFÈVRE, B. H. Mongolismo-estudo psicológico e terapêutico multiprofissional da Síndro     me de Down. São Paulo: Sarvier, 1981.

ONG, W. Oralidade e cultura escrita: a tecnologização da palavra. São Paulo: Papirus, 1998.

SILVA, C.; MOLLICA, M. C. O letramento de sujeitos típicos e atípicos. No prelo.

 

 

Disciplina:

ERROS DE ESCRITA: PREVISIBILIDADE E ATIPICIDADE

Área(s) de Concentração:

Linguagens e letramentos

Obrigatória: não

 

Carga Horária: 45 horas

Nº de Créditos: 3

Ementa:

Erro, variação, desvio e inadequação. Modos pedagógicos distintos para lidar com os erros de escrita. Integração dos conhecimentos da oralidade na escrita. Proposições metodológicas para elaboração de material didático.

Bibliografia:

JORGE, Miguel R. DSM – IV: Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais. 4a ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 1994.

ELLIS, N. & LARGE, B. The development of reading: As you seck so shall you find. British Journal of Psychology, 78, 1-28. 1987.

ELLIS, A.W. Leitura, Escrita e Dislexia – uma análise cognitiva. Porto Alegre, 2a edicao, 2001.

FERREIRA, T de L.; CAPELLINI, S. A.; CIASCA, S. M.; TONELOTTO, J. M de F. Desempenho de escolares leitores proficientes no teste de nomeacao automatizada rapida – RAN. Temas sobre desenvolvimento; 12(69): 26-32, jul.-ago. 2003.

JOHNSON, D. J. Distúrbios de Aprendizagem: princípios e práticas educacionais. Sao Paulo: Pioneira, 1987.

LENT, R. Cem bilhões de neurônios. Sao Paulo: Atheneu, 2005.

MOLLICA, M. C. M. ; LEAL, Marisa Da escola para vida: a importância do letramento escolar. Acolhendo a Alfabetização nos Países de Língua Portuguesa (USP), v. 2, p. 19-30, 2007. ; Meio de divulgação: Impresso; ISSN/ISBN: 19807686.

______. Influência da fala na alfabetização. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1998.

______. RONCARATI, C. Como a Escola pode explicar erros gramaticais e inovações? São Paulo: Parábola Editorial. No prelo.

MORENO, Cláudio. Hipercorreção. Sua Língua por Cláudio Moreno [site]. Disponível em: http://wp.clicrbs.com.br/sualingua/2009/05/11/hipercorrecao/?topo=>. Acesso em: 15 ago 2010.

MONFORT, M. Transtornos da aprendizagem da linguagem escrita. CASANOVA, J.P. et alli. Manual de Fonoaudiologia. Porto Alegre, 1992.

MOOJEN, S. & FRANCA, M. Dislexia: visao fonoaudiologica e psicopedagogica. In: Rotta et al. Transtornos da aprendizagem: 151 abordagem neurobiológica e multidisciplinar. Porto Alegre: Artmed, 2006.

NICO, M. A. N. e col. Levantamento do desempenho das criancas, jovens e adultos dislexicos na avaliacao multidisciplinar. In: Dislexia: cérebro, cognição e aprendizagem. Sao Paulo: Frontis, 2000. p.17-26.

PENNINGTON, B. Diagnóstico de distúrbio de aprendizagem: um referencial neuropsicológico. Supervisao tecnica de traducao Samuel Pfromm Neto. Sao Paulo: Pioneira, 1997.

SOARES, M.S. Letramento e alfabetização: as muitas facetas. Trabalho apresentado na 26ª  Reunião Anual da Anped em Poços de Caldas, em outubro de 2003.

STAMPA, M. Aquisiçao da leitura e da escrita: uma abordagem a partir da consciência fonológica. Rio de Janeiro: WAK Editora, 2009.

______. Aprendizagem e desenvolvimento das habilidades auditivas: entendendo e praticando. Rio de Janeiro: WALK Editora, 2011.

 

 

Disciplina:

GÊNEROS DISCURSIVOS/TEXTUAIS E PRÁTICAS SOCIAIS

Área(s) de Concentração:

Linguagens e letramentos

Obrigatória: não

 

Carga Horária: 45 horas

Nº de Créditos: 3

Ementa:

Os gêneros do discurso/textuais nos estudos contemporâneos da linguagem. Procedimentos analíticos. Os gêneros no ensino e aprendizagem da escuta, da leitura e da produção de textos. Proposições metodológicas para elaboração de material didático.

 

Bibliografia:

ARAÚJO, Júlio César (Org.). Internet & ensino: novos gêneros, outros desafios. Rio de Janeiro: Lucerna, 2007.

BASTOS, Neusa (Org.). Discutindo a prática docente em língua portuguesa. São Paulo: IP-PUC/SP, 2001.

BHATIA, Vijay. A análise de gêneros hoje. In: BEZERRA, B.; BIASI-RODRIGUES, B.; CAVALCANTE, M. Gêneros e sequências textuais. Recife: EDUPE, 2009. p. 159-195.

BAZERMAN, Charles. Gêneros textuais, tipificação e interação. São Paulo: Editora Cortez, 2006.

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 1992.

BEZERRA, B. G.; BIASI-RODRIGUES, B; CAVALCANTE, M. M.(Org.). Gêneros e Sequências Textuais. Recife: Edupe, 2009.

CARMELINO, A. C.; PERNAMBUCO, J.; FERREIRA, L. A. (Org.). Nos caminhos do texto: atos de leitura. Col. Mestrado em Linguística, v. 2. São Paulo: EdUnifran, 2007.

DIONISIO, Angela Paiva et al. (Org.). Gêneros textuais e ensino. Rio de Janeiro: Lucerna, 2002.

ELIAS, Vanda M. (Org.) Ensino de língua portuguesa: oralidade, escrita, leitura. São Paulo: Contexto, 2011.

LINO, A.; WENWCH, Leonor. Estratégias de leitura: texto e ensino. Rio de janeiro: Lucerna, 2006.

NASCIMENTO, Elvira Lopes (Org.). Gêneros textuais: da didática das línguas aos objetos de ensino. São Carlos: Claraluz, 2009.

MARCUSCHI, Luiz Antônio. Produção textual, análise de gêneros e compreensão. São Paulo: Parábola , 2008.

MEURER, José Luiz; BONINI, Adair; MOTTA-ROTH, Desiree. Gêneros: teorias, métodos, debates. São Paulo: Parábola, 2005.

PIRES, V. L.; GIACOMELLI, K. Reflexões sobre gênero social sob uma perspectiva dialógica. In: MOTTA-ROTH, D.; CABANAS, T.; HENDGES, G.R. Análise de textos e de discursos: relações entre teorias e práticas. 2. ed. Santa Maria: PPGL Editores, 2008. p. 199-220.

SIGNORINI, Inês (Org.). Gêneros catalisadores: letramento e formação do professor. São Paulo: Parábola, 2006.

__________. [Re]discutir texto, gênero e discurso. São Paulo: Parábola, 2008.

 

 

Disciplina:

ESTRATÉGIAS DO TRABALHO PEDAGÓGICO COM A LEITURA E A ESCRITA

Área(s) de Concentração:

Linguagens e letramentos

Obrigatória: não

 

Carga Horária: 45 horas

Nº de Créditos:  3

Ementa:

Caracterização de classes heterogêneas. Administração do piso conversacional em sala de aula. Protocolos de práticas de andaimagem/mediação e de pistas de contextualização. Exercícios para o desenvolvimento da consciência das unidades fonológicas, morfológicas, sintáticas e textuais. Marcas de pontuação como indicadores sintagmáticos, prosódicos e informacionais. Proposições metodológicas para elaboração de material didático.

 

Bibliografia:

BORTONI ET AL. Stella Maris (Org.). Leitura e mediação pedagógica. São Paulo: Parábola Editorial, 2012.

MARCUSCHI, L. A. Da fala para a escrita: atividades de recontextualização.São Paulo: Cortez, 2001.

MACHADO, José R. M.; NUNES, Marcus V. S. 245 jogos lúdicos para brincar como os nossos pais brincavam. Rio de janeiro: WAK Editora, 2011.

MOLLICA, M. C; FREIRE, L. Brinca-Palavra: Jogo da Fazenda do Seu Ramiro. Rio de Janeiro: Faculdade de Letras, 2006.

______; LEAL, M. Brinca-Palavra: Dominó Dois em Um. Rio de Janeiro, Faculdade de Letras, UFRJ, 2006.

______; LEAL, M. Brinca-Palavra: Campeonato de Letras e Números. Rio de Janeiro, Pró-Reitoria de Extensão, UFRJ, 2006.

______; LEAL, M. Brinca-Palavra: Banco de Compra e Venda. Rio de Janeiro, Pró-Reitoria de Extensão, UFRJ, 2007.

______; MOURA, A. P. A. ; LEAL, M. B. Materiais didáticos para a EJA. Apostila 1 Formação de Alfabetizadores, RIO DE JANEIRO, v. 1, n. 1, p. 35-42, 2005.

______. Constituição de material instrucional. Boletim da Abralin, v. 5, p. 53-59, 2000.

______. Saberes transversais: capacitação de professores e propostas pedagógicas. No prelo.

______; LEAL, M. L. Lendo matemática. BORTONI ET AL. Stella Maris (Org.). Leitura e mediação pedagógica. São Paulo: Parábola Editorial, 2012.

 

 

Disciplina:

LITERATURA INFANTO-JUVENIL

Área(s) de Concentração:

Linguagens e letramentos

Obrigatória: não

 

Carga Horária: 45 horas

Nº de Créditos: 3

Ementa:

Considerações sobre a especificidade da literatura infantil. Relação texto e ilustração. Memória e formas de narrar no passado e no presente. Literatura e performance: gêneros orais e gestualidade. Aproximações entre poesia e infância. O clássico em adaptação e transcriação. Experiência estética e afetividade na infância e na adolescência. Proposições metodológicas para elaboração de material didático.

 

Bibliografia:

AMORIM, Lauro Maia. Tradução e adaptação – encruzilhadas da textualidade em Alice no País das Maravilhas, de Lewis Carrol, e Kim, de Rudyard Kipling. São Paulo: UNESP, 2005.

ANTUNES, Benedito; CECCANTINI, João Luís C. T. Os clássicos: entre a sacralização e a banalização.

In: PEREIRA, Rony Farto e BENITES, Sonia A. Lopes. À roda de leitura: língua e literatura. Jornal Proleitura. São Paulo: Cultura Acadêmica.Assis: ANEP, 2004.

ARROIO, Leonardo. Literatura Infantil brasileira. São Paulo: Melhoramentos, 1990.

COELHO, Nelly Novaes. Panorama histórico da literatura infantil e juvenil – das origens indo-européias ao Brasil contemporâneo. 4. ed. revista. São Paulo: Ática, 1991.

LAJOLO, Marisa; ZILBERMAN, Regina. Um Brasil para crianças _ para conhecer a literatura infantil brasileira: histórias, autores e textos. São Paulo: Global, 1986.

BRAVO-VILLASANTE, Carmen. História da Literatura Infantil universal. Lisboa: Veja, 1977.

JESUALDO. A literatura infantil. São Paulo: Cultrix, 1993.

OLIVEIRA, Maria Rosa Duarte; PALO, Maria José. Literatura Infantil: Voz de criança. 4. ed. São Paulo: Ática, 2006.

PALO, Maria José. Las edades de lectura: diálogo texto literário y texto imagen. Buenos Aires/Argentina, 2008.

HUNT, Peter. Crítica, teoria e literatura infantil. São Paulo: Cosac Naify, 2010.

 

 

 

Disciplina:

LITERATURA E ENSINO

Área(s) de Concentração:

Linguagens e letramentos

Obrigatória: não

 

Carga Horária: 45 horas

Nº de Créditos: 3

Ementa:

Concepções de literatura e ensino. Apreensão do literário: modelos redutores vs. crítico-criativos e suas repercussões na educação literária. O ensino da literatura no Ensino Fundamental. A literatura na construção de um sujeito agente de conhecimento. O professor de literatura no contexto sociocultural. Elaboração de projetos vinculados ao ensino da literatura no material didático e na prática docente.

 

Bibliografia:

CANDIDO, A. A literatura e a formação do homem. In: DANTAS, V. (Org.) Bibliografia Antonio Candido – textos de intervenção. São Paulo: Ed. 34, 2002.

BASTAZIN, Vera; FURTADO, Ana Maria Garzone. Literatura infantil e juvenil: Uma proposta interdisciplinar. São Paulo: Ed. Do Autor, 2007.

BARBOSA, João Alexandre. “Leitura, ensino e crítica da literatura” In: ____. A Biblioteca Imaginária. São Paulo: Ateliê, 1996.

BARTHES, Roland. A aula. Trad. e Posfácio de L. Perrone-Moisés. São Paulo: Cultrix, 1980.

BORGES, Jorge Luis. Cinco visões pessoais. Trad. Maria Rosinda Ramos da Silva. Brasília: UNB, 1996

JAKOBSON, Roman. Linguística e Comunicação. São Paulo: Cultrix, 1970.

LEAHY-DIOS, Ciana. Educação literária como metáfora social. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

LEFEBVE, Maurice-Jean. Estrutura do discurso da poesia e da narrativa. Coimbra: Livraria Almedina, 1980

OLIVEIRA, M. Rosa Duarte de et al. (Org.). Território das artes. São Paulo: EDUC, 2006

PERRONE-MOISÉS, L. Literatura para todos. In: Literatura e Sociedade/ Departamento de Teoria Literária e Literatura Comparada - USP. N. 9. São Paulo: USP, 2006.

 

 

Disciplina:

PRODUÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO PARA O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA COMO ADICIONAL

Área(s) de Concentração:

Linguagens e letramentos

Obrigatória: não

 

Carga Horária: 45 horas

Nº de Créditos:  3

Ementa:

Bases teóricas e metodológicas na produção de material didático. Materiais impressos e digitais. O lugar da língua materna no material didático de ensino de língua adicional. Produção e avaliação de material didático.

 

Bibliografia:

BRASIL. Ministério da Educação, Secretaria De Educação Básica. Orientações curriculares para o ensino médio. Volume 1: Linguagens, códigos e suas tecnologias. Brasília, 2006. p. 18-46. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/book_volume_01_internet.pdf. Acesso em 04/07/2010.

BRASIL. Ministério da Educação, Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: língua estrangeira. Brasília, 1998. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/pcn_estrangeira.pdf. Acesso em 04/07/2010.

CORACINI, M. J. (Org.). Interpretação, autoria e legitimação do livro didático. São Paulo: Pontes, 1999.

DIAS, R.; CRISTÓVÃO, V. (Org.). O livro didático de lingua estrangeira: múltiplos olhares. Campinas: Mercado de Letras, 2009

MARCUSCHI, Luiz Antônio. Produção Textual, Análise de Gêneros e Compreensão. São Paulo: Parábola, 2008.

MOITA LOPES, L. P. A nova ordem mundial, os Parâmetros Curriculares Nacionais e o ensino de inglês no Brasil: a base intelectual para uma ação política. In: BARBARA, L.; RAMOS, R. Reflexões e Ações no Ensino-aprendizagem de Línguas. Homenagem a Antonieta Celani. Campinas: Mercado de Letras, 2003.

ROJO, R. H. R.; MOITA LOPES, L. P. Linguagens, códigos e suas tecnologias. In: BRASIL. Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica. Orientações curriculares do ensino médio. Brasília, DF, 2004. p. 14-59. Disponível em http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/me001942.pdf. Acesso em 09/10/2010.

SCHNEWLY, B; DOLZ, J. [2004] Gêneros orais e escritos na escola. 2 ed. Campinas: Mercado de Letras, 2010.

SZUNDY, P.; ARAUJO, J. C.; NICOLAIDES, C.; SILVA, K. Linguística Aplicada e sociedade: ensino e aprendizagem de línguas no contexto brasileiro. Campinas: Pontes, 2011.

 

 

Última Atualização ( 30 de April de 2013 )
 
UnioesteNet 2008
School Joomla Templates and Joomla Tutorials